Você está aqui: Portal de notícias Matérias Especial

16/07/2010 - 18h42 Especial - Atualizado em 16/07/2010 - 18h42

Homicídio qualificado é crime hediondo

Enviar notícia por e-mail Imprimir

[O goleiro Bruno, suspeito de envolvimento na morte de Eliza Samúdio, apresenta-se para depoimento à polícia]

Segundo o Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40), o homicídio qualificado é aquele cometido em circunstâncias que tornam o crime mais grave do que já é. O homicídio simples, por mais que o adjetivo possa parecer impróprio, é o ato de matar uma pessoa em circunstâncias que não ampliem a magnitude desse ato extremo.

Dependendo do motivo, o homicídio simples pode até resultar em pena menor. Por exemplo, se o agente comete o crime "impelido por motivo de relevante valor social ou moral, ou sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida a injusta provocação da vítima".

No caso do homicídio qualificado, algumas situações são determinantes. Por exemplo, se o crime foi cometido "mediante paga ou promessa de recompensa, ou por outro motivo torpe". São também motivos para qualificação do homicídio o motivo fútil; o emprego de veneno, fogo, explosivo, asfixia, tortura ou outro meio insidioso ou cruel. A traição, a emboscada, a dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido são igualmente qualificantes de um homicídio.

Por fim, um homicídio é qualificado se o assassino visou assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou vantagem de outro crime.

Se confirmadas pela investigação policial e pela sentença judicial as circunstâncias da morte da modelo Eliza Samudio divulgadas até agora pela polícia, o crime deverá receber a classificação de homicídio qualificado. Por vários dos detalhes revelados pela polícia.

Eliza era ex-amante do goleiro Bruno, que teve contrato suspenso pelo Flamengo. Por enquanto, Bruno, seu amigo Luiz Henrique Romão, o Macarrão, e o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, são apenas considerados suspeitos do sequestro, tortura e morte da modelo, por motivo fútil. Bruno teria um filho com Eliza, que lhe cobrava reconhecimento de paternidade e pensão.

Para o senador Demostenes Torres (DEM), procurador de Justiça e presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado, as investigações já chegaram a conclusões importantes.

- É mais um crime bárbaro. Seria bom encontrar o corpo, mas já se sabe muita coisa - afirmou.

Nelson Oliveira / Agência Senado

Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

 
FacebookTwitterYouTubeFlickrInstagramGoogle PlusPinterestTumblr

Procuradoria Especial da Mulher

Banner pauta prioritaria
Manual de Comunicação da Secom
50 anos do golpe
 

Pacto Federativo