Comunidade libanesa no Brasil é maior que população do Líbano

Da Redação | 22/04/2010, 14h45 - ATUALIZADO EM 08/05/2015, 19h27

A comunidade libanesa que vive no Brasil, formada em sua maioria por descendentes, é maior do que a população do Líbano. São quase 10 milhões de libaneses e descendentes em território brasileiro, contra 3,5 milhões que vivem no Líbano.

O país é uma república parlamentarista com presidente eleito pelo voto dos deputados. O último presidente, general Michel Sleiman, foi eleito pelo Parlamento em 2008. Brasil e Líbano têm comércio bilateral de cerca de US$ 312 milhões.

Em 2010, foram comemorados 130 anos do início oficial da imigração árabe para o Brasil. Foi em 1880 que o primeiro navio com libaneses deixou o porto de Beirute, estimulados pelo imperador Dom Pedro II, que visitara o país quatro anos antes. A maioria dos libaneses imaginava estar migrando para os Estados Unidos, porque o Brasil era praticamente desconhecido.

Muito antes, no entanto, árabes já tentavam a sorte no novo mundo. No Brasil, os primeiros árabes chegaram ainda no período colonial, para trabalhar como mascates. Em 1880, veio a primeira grande leva de libaneses cristãos, fugindo do Império Otomano, Estado de maioria muçulmana que dominava todo o Oriente Médio e era controlado pela etnia turca. Os estados que mais receberam migrantes libaneses foram São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pará e Goiás. Como chegavam com o passaporte otomano, eram chamados de "turcos", denominação aplicada até hoje aos árabes e seus descendentes em parte do Brasil.

O Império Otomano foi extinto após ser derrotado na Primeira Guerra Mundial, junto com a Alemanha. Na divisão do Oriente Médio que Inglaterra e França fizeram entre si, coube aos franceses o Líbano e a Síria. Beirute, a capital libanesa, tornou-se, então, a "Paris do Oriente", uma cidade cosmopolita e sofisticada. Em 1920, criou-se a República do Líbano, mas ainda sob mandato francês.

A independência só veio em 1943, um pouco antes do fim da Segunda Guerra Mundial. Em 1948, o Líbano tornou-se refúgio para os palestinos expulsos com a criação do Estado israelense. Com a declaração da Independência do Líbano em 1943, um pacto nacional foi celebrado entre as principais líderanças libanesas e foi estabelecido que o presidente da República será sempre um cristão maronita, o primeiro-ministro um muçulmano sunita e o Presidente da Câmara dos Deputados um muçulmano xiita. O que levou a uma guerra civil a partir de 1975, e que durou 15 anos, foi a pretensão da Organização da Libertação da Palestina (OLP), fortemente armada, de tomar o poder no Líbano apoiada pela população muçulmana contra os cristãos.

Numa região marcada por guerras, o Líbano é um país que busca o crescimento econômico. Senadores como Pedro Simon (PMDB-RS), Romeu Tuma (PTB-SP), Mauro Fecury (PMDB-MA) são descendentes de libaneses.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

TÓPICOS: