Você está aqui: Portal de notícias Matérias Especial

22/04/2010 - 14h45 Especial - Atualizado em 22/04/2010 - 14h45

Comunidade libanesa no Brasil é maior que população do Líbano

Enviar notícia por e-mail Imprimir

[Foto]

Matéria retificada em 23/04/2010 às 10h00

A comunidade libanesa que vive no Brasil, formada em sua maioria por descendentes, é maior do que a população do Líbano. São quase 10 milhões de libaneses e descendentes em território brasileiro, contra 3,5 milhões que vivem no Líbano.

O país é uma república parlamentarista com presidente eleito pelo voto dos deputados. O atual presidente, general Michel Sleiman, foi eleito pelo Parlamento em 1998. Brasil e Líbano têm comércio bilateral de cerca de US$ 312 milhões.

Em 2010, são comemorados 130 anos do início oficial da imigração árabe para o Brasil. Foi em 1880 que o primeiro navio com libaneses deixou o porto de Bekaa, estimulados pelo imperador Dom Pedro II, que visitara o país quatro anos antes. A maioria dos libaneses imaginava estar migrando para os Estados Unidos, porque o Brasil era praticamente desconhecido.

Muito antes, no entanto, árabes já tentavam a sorte no novo mundo. No Brasil, os primeiros árabes chegaram ainda no período colonial, para trabalhar como mascates. Em 1880, veio a primeira grande leva de árabes cristãos, fugindo do Império Otomano, Estado de maioria muçulmana que dominava todo o Oriente Médio e era controlado pela etnia turca. Os estados que mais receberam migrantes árabes foram São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pará e Goiás. Como chegavam com o passaporte otomano, eram chamados de "turcos", denominação aplicada até hoje aos árabes e seus descendentes em parte do Brasil.

O Império Otomano foi extinto após ser derrotado na Primeira Guerra Mundial, junto com a Alemanha. Na divisão do Oriente Médio que Inglaterra e França fizeram entre si, coube aos franceses o Líbano e a Síria. Beirute, a capital libanesa, tornou-se, então, a "Paris do Oriente", uma cidade cosmopolita e sofisticada. Em 1926, criou-se a República do Líbano, mas ainda como colônia francesa.

A independência só veio como fim da Segunda Guerra Mundial e, em 1949, o Líbano foi o primeiro país árabe a assinar um armistício com o recém-criado Estado de Israel - por outro lado, tornou-se também refúgio para os palestinos expulsos com a criação do Estado israelense. A constituição libanesa previa muçulmanos (majoritários) nos cargos mais importantes da República, o que levou a uma guerra civil, a partir de 1975, que durou 16 anos.

Numa região marcada por guerras, o Líbano é um país que busca o crescimento econômico. Senadores como Pedro Simon (PMDB-RS), Romeu Tuma (PTB-SP), Mauro Fecury (PMDB-MA) são descendentes de libaneses.

Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

 
FacebookTwitterYouTubeFlickrInstagramGoogle PlusPinterestTumblr

Procuradoria Especial da Mulher

Banner pauta prioritaria
Manual de Comunicação da Secom
50 anos do golpe

Pacto Federativo