Você está aqui: Portal de notícias Matérias Plenário

31/07/2012 - 14h10 Plenário - Homenagens - Atualizado em 02/08/2012 - 10h15

Centenário de Jorge Amado será celebrado em sessão solene

Enviar notícia por e-mail Imprimir

Raíssa Abreu

O Congresso Nacional vai homenagear um dos mais prestigiados escritores brasileiros na próxima segunda-feira (6). A partir das 11h, por iniciativa dos senadores José Sarney (PMDB-AP) e Lídice da Mata (PSB-BA), o centenário de nascimento de Jorge Amado – autor, entre outras obras, de “Gabriela, cravo e canela” – será lembrado em sessão solene. Também assinaram o pedido de homenagem os outros dois senadores baianos, Walter Pinheiro (PT) e João Durval (PDT).

Além da obra que a Rede Globo exibe, numa segunda adaptação para a televisão, Jorge Amado é autor de clássicos da literatura nacional, como “Dona Flor e seus dois maridos”, “Mar morto”, “Capitães da Areia”, “A morte e a morte de Quincas Berro Dágua”, entre muitos outros.

Jorge Amado nasceu em 10 de agosto de 1912, numa fazenda de cacau no município de Itabuna, sul da Bahia, e passou a infância em Ilhéus. Publicou seu primeiro romance, “O país do carnaval”, em 1931.

Além de ser o grande contador de histórias da Bahia, Jorge Amado teve destacada participação na vida política do país. Em 1935, formou-se pela Faculdade Nacional de Direito, no Rio de Janeiro. Militante comunista, exilou-se na Argentina no início da década de 40 e, ao regressar ao país, foi eleito deputado federal pelo estado de São Paulo, pelo Partido Comunista Brasileiro (PCB). É autor da lei que assegura a liberdade de culto religioso ainda em vigor.

Em 1945 casou-se com a também escritora Zélia Gattai, com quem permaneceu até o fim da vida (antes, em 33, havia se casado com Matilde Garcia Rosa, com quem teve uma filha, Lila). Exilou-se na Europa até o início da década de 50, no período em que o Partido Comunista foi declarado ilegal no país.

De volta, passou a dedicar-se inteiramente à literatura e foi eleito para a cadeira 23 da Academia Brasileira de Letras (ABL). Jorge Amado faleceu em Salvador, em 6 de agosto de 2001.

Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

 
FacebookTwitterYouTubeFlickrInstagramGoogle PlusPinterestTumblr

Procuradoria Especial da Mulher

Banner pauta prioritaria
Manual de Comunicação da Secom
50 anos do golpe

Pacto Federativo