Você está aqui: Portal de notícias Matérias Plenário

06/07/2012 - 11h35 Plenário - Pronunciamentos - Atualizado em 06/07/2012 - 18h42

Anibal Diniz reivindica direito do Rio Branco Futebol Clube disputar 3ª divisão

Enviar notícia por e-mail Imprimir

Da Redação

O senador Anibal Diniz (PT-AC) fez um apelo aos dirigentes da Série C do Campeonato Brasileiro para que seja assegurado ao Rio Branco Futebol Clube o direito de estrear na competição em partida marcada para o próximo domingo. Ele pediu a revisão de liminar expedida por uma juíza de Campina Grande, na Paraíba, que impede o time acriano de entrar em campo.

A disputa judicial em torno da terceira divisão do campeonato brasileiro de futebol já acarretou atraso de mais de um mês no início da competição e, segundo o senador, ainda gera insegurança e prejuízos aos times.

Segundo o parlamentar, o problema começou em 2011, quando o Ministério Público considerou o estádio do time acriano, a Arena da Floresta, inapto para receber jogos. O governo do estado recorreu da decisão na Justiça comum e, por ter buscado amparo fora da Justiça desportiva, o time foi penalizado.

– Mesmo o Rio Branco tendo sido o primeiro colocado da Região Norte [na primeira fase da Série C] em 2011, ele teve de abdicar da segunda fase da competição, porque senão seria um imbróglio que se estenderia por muito tempo. Para não prejudicar os demais clubes, o Rio Branco aceitou acordo com a CBF de se retirar da competição e retirar todas as ações na Justiça, com a garantia de disputar o campeonato em 2012 – explicou Anibal Diniz.

Treze da Paraíba

Com a alegação da possibilidade de o time acriano receber como punição o rebaixamento para a Série D, o Treze da Paraíba, quinto colocado naquela divisão em 2011 (os quatro primeiros subiram para a Série C de 2012), recorreu à Justiça para pleitear a vaga na terceira divisão, recebendo liminar favorável da juíza Ritaura Rodrigues Santana, da Comarca de Campina Grande. Ao recorrer da decisão, o Rio Branco também foi contemplado pela Justiça do Acre e mantido no campeonato.

– Entre idas e vindas, a CBF chegou a um entendimento: abriu exceção e permitiu 21 clubes na Série C, mantendo o Rio Branco e convocando também o Treze da Paraíba – contou Aníbal Diniz, ao dizer que o time da Paraíba já estreou, com derrota, no último fim de semana.

A surpresa, segundo o senador, veio com recurso do time paraibano e liminar da juíza de Campina Grande para impedir a estreia do Rio Branco Futebol Clube no campeonato, cujo descumprimento resultará ao clube acriano multa de R$ 200 mil por dia.

– Não é possível que uma situação como essa vá permanecer. O futebol não pode ser objeto desse tipo de esperteza que afronta torcedores e dirigentes. É o estado do Acre que está sendo afrontado. Disputar a Série C é um direito líquido e certo do Rio Branco Futebol Clube – desabafou, ao pedir que a juíza da Paraíba seja responsabilizada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Impacto

O senador observou que a paralisação de uma competição de futebol no Brasil tem grande impacto sobre os torcedores, frente à paixão pelo esporte, mas também resulta em grande prejuízo financeiro. Como observou, sem jogos não há arrecadação, mas os clubes precisam manter salários, atendimento médico, viagens e outras despesas.

– É um esforço que envolve milhares de profissionais, para que o futebol seja decidido pelo desempenho dos times em campo – frisou o senador, ao afirmar que o Rio Branco Futebol Clube irá recorrer em todas as instâncias para assegurar seu direito.

Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

 
FacebookTwitterYouTubeFlickrInstagramGoogle PlusPinterestTumblr

Procuradoria Especial da Mulher

Banner pauta prioritaria
Manual de Comunicação da Secom
50 anos do golpe
 

Pacto Federativo