Você está aqui: Portal de notícias Matérias Plenário

14/06/2012 - 19h15 Plenário - Pronunciamentos - Atualizado em 15/06/2012 - 09h21

João Capiberibe diz que crise ambiental veio para ficar

Enviar notícia por e-mail Imprimir

Da Redação

Em pronunciamento nesta quinta-feira (14), o senador João Capiberibe (PSB-AP) disse que as mudanças climáticas, a perda de biodiversidade, o esgotamento dos recursos naturais e a poluição dos diversos meios naturais são os quatro riscos que sintetizam a crise ecológica atual.

- A crise ambiental veio para ficar. Nós podemos vencer as crises políticas, superar as crises econômicas, até mesmo as crises éticas, mas a crise ambiental é definitiva, não tem retorno. O que está feito não tem mais como ser corrigido. O que podemos fazer é mudar de rumo, mudar de atitude, mudar esse padrão de consumo e de produção que norteia a sociedade global – afirmou.

Capiberibe disse que se sente reconfortado com a abertura da Rio+20, na quarta-feira (13), lembrando que a formulação do Programa de Desenvolvimento Sustentável do Amapá, posto em prática quando ele governou o estado, há 17 anos, inspirou-se diretamente na reunião da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Desenvolvimento e Meio Ambiente, a ECO-92, realizada há 20 anos no Rio de Janeiro, e também no exemplo dado por Chico Mendes, que morreu assassinado em 1988, no Acre, em defesa de outra relação com a floresta.

Dois anos e meio após a Eco 92, Capiberibe disse que decidiu adotar o desenvolvimento sustentável como matriz das políticas de governo. Durante sete anos e três meses, “em que pese incompreensões e críticas”, o programa foi posto em prática, mobilizando progressivamente diversos segmentos da sociedade do Amapá, especialmente os excluídos, como os índios.

Capiberibe explicou que o projeto foi composto por seis diretrizes básicas que orientaram as ações de governo. Uma delas tratou da valorização das vantagens comparativas do Amapá frente a outras regiões, levando em conta a diversidade de ecossistemas, a extraordinária capacidade de produção de biomassa vegetal e animal, as áreas com biodiversidade intacta, os locais de notável beleza natural, além do acesso estratégico aos centros de comércio internacional. Ele lembrou que o estado faz fronteira com a Guiana, que é uma região do estado francês e integrante da União Européia.

Outra diretriz básica do projeto procurava buscar o equilíbrio entre os aspectos econômicos, sociais e ambientais das atividades produtivas.

Essa equação de combinar fatores econômicos com equidade e com preservação dos recursos naturais é uma dificuldade que desembocou no desenvolvimento sustentável, disse Capiberibe, para quem não há como preservar os recursos naturais “convivendo com a pobreza do lado”.

Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

 
FacebookTwitterYouTubeFlickrInstagramGoogle PlusPinterestTumblr

Procuradoria Especial da Mulher

Banner pauta prioritaria
Manual de Comunicação da Secom
50 anos do golpe

Pacto Federativo