Você está aqui: Portal de notícias Matérias CPIs

20/06/2006 - 12h31 CPIs - Atualizado em 20/06/2006 - 12h31

Relatório final sugeriu 49 indiciamentos

Enviar notícia por e-mail Imprimir

Da Redação

[Foto: senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN)]

Apresentado pelo relator, senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), em 8 de junho, o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Bingos sugeriu o indiciamento de 48 pessoas - entre as quais o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci e o presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Paulo Okamotto - e de uma empresa.

Também constam da lista os nomes do ex-subchefe de Assuntos Parlamentares da Casa Civil Waldomiro Diniz e do advogado Rogério Tadeu Buratti, ex-secretário de Governo de Palocci durante sua gestão na prefeitura de Ribeirão Preto (SP). Foi pedido ainda o indiciamento do empresário de jogos Carlos Augusto de Oliveira Ramos, mais conhecido como Carlinhos Cachoeira. Os nomes de Buratti, Waldomiro e Cachoeira já constavam do relatório parcial, aprovado em janeiro, sobre o caso Gtech, que pediu o indiciamento de 34 pessoas e três empresas. Portanto, somados os dois relatórios, Garibaldi pede que 79 pessoas e quatro empresas sejam indiciadas.

O relatório final apontou para a regulamentação das casas de jogos, mediante debate de proposta a ser encaminhada à Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR). Num primeiro momento, a CPI propõe a criminalização dos jogos de azar, inclusive os eletrônicos, como os bingos e as máquinas caça-níqueis.A proposta a ser enviada à CDR considera como bingo "a realização de sorteio sobre conjunto de números, em ambiente físico ou virtual", por meio de cartelas com 15 números selecionados de um total de 90. A exploração poderia se dar diretamente pelos estados e pelo Distrito Federal ou por empresas autorizadas.

O documento de Garibaldi também concluiu pela existência de conexões entre as casas de bingo, a prática de lavagem de dinheiro e as atividades do crime organizado, envolvendo bicheiros, contrabandistas e a máfia italiana. Os bingos também teriam vinculações com o jogo do bicho, segundo o relator. Muitos desses estabelecimentos pertenceriam a bicheiros - que os usariam para lavagem de dinheiro - ou pagariam aos controladores do jogo de bicho um pedágio para a "autorização" do seu funcionamento em determinada área.

Na parte destinada à apuração do "caso Celso Daniel", que investigou o assassinato do então prefeito de Santo André, foi pedido o indiciamento do ex-secretário de Serviços Municipais daquele município Klinger Luiz de Oliveira Souza e dos empresários Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, e Ronan Maria Pinto - todos acusados de participarem de um esquema de corrupção para abastecer o caixa dois do PT durante a gestão de Daniel. Eles responderiam por crimes como concussão (crime praticado por funcionário público, ao exigir de terceiros vantagem indevida, ainda que fora da função ou antes de assumi-la) e formação de quadrilha. Sérgio Gomes teve também pedido seu indiciamento por homicídio, já que é apontado como o possível mandante do assassinato de Daniel.

No que se refere ao financiamento irregular de campanha, Garibaldi pede o indiciamento, entre outros nomes, de Paulo Okamotto, por lavagem de dinheiro e crimes contra a ordem tributária. Okamotto é o presidente do Sebrae e chegou a afirmar - e depois voltou atrás - que havia pagado dívidas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O relatório também detalha o esquema de corrupção chamado de "máfia do lixo" em Ribeirão Preto. O relator afirmou que o inquérito conduzido pela delegacia seccional de polícia do município paulista indica "fortes indícios de que havia fraudes em licitações e superfaturamento" envolvendo empresas de coleta de lixo não apenas em Ribeirão Preto, mas também em cidades próximas como Matão, Sertãozinho, Monte Alto, Bebedouro e Araraquara. O dinheiro arrecadado no esquema (R$ 200 mil mensais em 2003 e R$ 226 mil mensais em 2004), afirma o relator, era repassado à prefeitura e depois ao Diretório Nacional do PT, "por intermédio de Delúbio Soares, com autorização do prefeito" (Antonio Palocci). Tal esquema era comandado por Luiz Cláudio Leão "em conjunto com o prefeito", afirma Garibaldi. O relator afirma também que as fraudes continuaram com a saída de Palocci, quando assumiu o vice-prefeito Gilberto Sidney Maggioni.

O texto do relator aponta ainda diversos indícios de prática de tráfico de influência envolvendo empresários e ex-assessores do ex-ministro da Fazenda e ex-prefeito de Ribeirão Preto Antonio Palocci em operações ligadas a fundos de pensão, empréstimos para prefeituras e concessão de recursos a instituições financeiras. O documento diz que o chamado "grupo de Ribeirão Preto", composto por personagens como Rogério Buratti, Vladimir Poleto e Ralf Barquete, todos colaboradores de Palocci na prefeitura, teria se engajado "em iniciativas que buscavam tirar proveito da posição ocupada pelo ministro no governo". Haveria, inclusive, "indícios consistentes" de que o próprio Palocci teria participado dos processos.

O documento deverá ser enviado ao Ministério Público Federal, à Polícia Federal, à Polícia Civil de São Paulo em Ribeirão Preto, Santo André e Campinas, à Polícia Civil do Rio de Janeiro, às Secretarias da Receita Federal e da Receita Previdenciária, ao Ministério do Trabalho, ao Ministério Público do Trabalho, ao Banco Central, ao Tribunal de Contas da União (TCU), ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e à Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) do Senado.

Garibaldi também sugeriu em seu relatório que existem indícios de que o então prefeito de Santo André (SP), o petista Celso Daniel, teria sido assassinado por ter tentado se opor ao caixa três praticado por seus subalternos envolvendo recursos arrecadados com fraudes e propinas em contratos de transporte público na prefeitura do município paulista. O esquema na prefeitura de Santo André, afirma Garibaldi (respaldado pelo Ministério Público), era comandado por Ronan Maria Pinto, Klinger Luiz de Oliveira Souza e Sérgio Gomes da Silva (o Sombra), com a anuência do prefeito. Propinas eram cobradas das empresas de ônibus da cidade, continua Garibaldi, e "o dinheiro era repassado para uma caixinha do PT para financiar campanhas eleitorais". Celso Daniel teria sido seqüestrado e morto por ter descoberto que parte dos recursos era desviada para beneficiar os chefes do esquema e outras pessoas.

Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

 
FacebookTwitterYouTubeFlickrInstagramGoogle PlusPinterestTumblr

Procuradoria Especial da Mulher

Banner pauta prioritaria
Manual de Comunicação da Secom
50 anos do golpe
 

Pacto Federativo