Você está aqui: Jornal do Senado Edição de 18 de junho de 2012 Meio ambiente

18/06/2012 - Meio ambiente

Brasil assume presidência da Rio+20 e busca consenso

Enviar notícia por e-mail Imprimir

País assumiu presidência do evento no final da noite da sexta-feira com a decisão de avançar em pontos polêmicos no fim de semana para que sobrassem poucas pendências para os chefes de Estado

No comando das negociações da Rio+20 desde a noite de sexta-feira, o Brasil quer estabelecer uma nova ordem de trabalho para as delegações dos 193 países representados nas reuniões.

O objetivo é fechar o documento-base até amanhã para evitar constrangimentos aos 115 chefes de Estado e de governo entre a quarta e a sexta-feira.

A estratégia brasileira era esgotar as negociações em busca de consenso até o fim da noite da sexta passada.

Se a tática não desse certo, já havia um plano B. A ideia era que os grupos trabalhassem, a partir do fim de semana, os temas-chave sobre os quais não se obtivessem consenso. Até a sexta passada, 72% do temas do texto-base não tinham acordo. O documento precisa ser aprovado até a próxima sexta.

O Brasil assumiu a presidência da Rio+20 após o encerramento oficial das reuniões dos comitês preparatórios. Até então, o comando estava com Coreia do Sul e Barbados.

Comandam as negociações os embaixadores André Corrêa do Lago, chefe da delegação brasileira, e Luiz Alberto Figueiredo Machado, secretário executivo da delegação.

O comando geral fica a cargo do ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota.

Da quarta à sexta-feira, Dilma Rousseff assumirá o comando nas reuniões plenárias.

Os negociadores intensificaram as articulações para que o menor número de controvérsias fosse encaminhado aos líderes nas reuniões de alto nível. Os países em desenvolvimento do G77 divergiam dos países desenvolvidos sobre a questão da economia verde. Para o G77, a proposta europeia — que é a ­predominante — de fixar um programa mundial com normas sobre economia verde não atende aos interesses dos países pobres. Os ricos se recusavam a aceitar propostas que aumentam recursos destinados ao crescimento sustentável.

O argumento é a crise.

Na sexta, o senador Fernando Collor (PTB-AL) foi homenageado pelos 20 anos da Rio-92, que ele presidiu na condição de presidente da República.

Legislativo

Parlamentares prometem ficar de olho nos compromissos assumidos pelos governos na Rio+20. Da sexta ao domingo passados, legisladores de 80 países definiriam como fiscalizar medidas que serão aprovadas no evento e como evitar retrocessos na lei ambiental.

Cerca de 300 parlamentares eram esperados para a Cúpula Mundial de Legisladores, na Assembleia Legislativa do Rio. (com Agência Brasil)

Jornal do Senado

(Reprodução autorizada mediante citação do Jornal do Senado)

Leia mais sobre Meio ambiente